O guia completo para desenvolvimento de conteúdo orientado a dados

<! –->

O que é desenvolvimento de conteúdo?

Desenvolver conteúdo é tudo o que você faz antes, durante e após a criação do conteúdo para garantir que o que você produz seja valioso para os leitores e os mecanismos de pesquisa. Isso inclui análises para identificar a necessidade de conteúdo, investigações para decidir qual conteúdo criar e medições para ver como esse conteúdo funciona.

Um grande conteúdo nunca surge por si só e nunca acidentalmente. Ele serve a um propósito comercial, e o quão bem ele serve a esse propósito depende da integridade do seu processo de desenvolvimento de conteúdo.

dados Cue.

Como as estrelas, existem muitas e podem ser usadas como um sistema de navegação para profissionais de marketing de conteúdo. Ele o orienta na decisão de qual conteúdo criar.

Como exatamente você desenvolve conteúdo orientado a dados? Criamos um mapa que permite definir um curso para o ROI.

  1. Identifique seu público-alvo: Quem você está tentando alcançar?
  2. Compare seu desempenho atual com os índices: Onde voce esta agora
  3. Desenvolva uma estratégia de conteúdo para melhorar essas métricas: Para onde vais
  4. Realize pesquisas de palavras-chave: Quais palavras-chave o ajudarão?
  5. Desenvolvendo resumos de conteúdo: Como você classifica essas palavras-chave?
  6. Crie e promova o conteúdo: A parte em que você faz essa coisa.
  7. Verifique as métricas: Ajuste o curso, mantenha a calma etc. com base em suas descobertas.

1. Identifique seu público-alvo

Nunca faça suposições sobre quem lê seu conteúdo.

Por exemplo, seus leitores mais ávidos podem não ser compradores. Alguns podem nem ter valor comercial. Brafton aprendeu analisando seus dados do Google Analytics e CRM que:

  1. Nossos leitores mais ávidos do blog são influenciadores, não compradores. Ou seja, eles afetam a personalidade do comprador, mas não assinam os cheques.
  2. Nem todos os nossos leitores têm valor comercial. As descobertas do CRM revelaram que a faixa etária de 18 a 24 anos está interessada principalmente em estágios e informações para projetos escolares.

Esses insights nos ajudaram a desenvolver personalidades de leitores altamente específicas nas quais devemos nos concentrar ao criar nosso conteúdo.

A pessoa do público-alvo: Christina Harper, nossa entusiasta leitora de blogs.

As principais fontes de dados que podem ser usadas para restringir seu público-alvo incluem:

  • CRM: Contém informações sobre cada lead e cliente de entrada, incluindo o motivo para entrar em contato com eles, o conteúdo que os levou a fazer negócios, as informações que eles fornecem, os produtos e serviços que eles registraram e os dados da pesquisa disponíveis.
  • Google Analytics: Mostra os dados demográficos do seu público, incluindo vários tipos de métricas do site (solicitações de contato, cliques, número de páginas visitadas para cada sessão) para esses dados demográficos.
  • Suas equipes de vendas: Eles podem fornecer orientações detalhadas sobre as quais o público responde bem durante demos e chamadas de saída e ajudar a identificar as vulnerabilidades mais importantes que encontram.

Depois de ter uma ideia clara de quem são seus leitores, qual deles tem valor comercial e quanto, seu verdadeiro público entrará em foco.

2. Compare seu desempenho atual

Essa é a parte de sua pesquisa orientada a dados, na qual você julga o que está fazendo bem e onde não está.

Assim como os marinheiros têm uma bússola e um sextante, o Google Analytics e o Search Console permitem descobrir onde você está.

Google Analytics

O Google Analytics não apenas fornece detalhes sobre seu público-alvo, mas também fornece uma idéia do desempenho do seu site com base em métricas importantes:

  • sessões: Cada sessão começa quando um usuário chega ao seu site e termina quando ele sai do site. Quantos você tem?
  • Sessões únicas: O número de usuários únicos que realizaram uma sessão no seu site.
  • duração da sessão A duração média de cada sessão.
  • Páginas por sessão: O número de páginas que um usuário visita em cada sessão.
  • Tempo na página: Quanto tempo foi gasto em uma página específica.
  • Taxa de rejeição: Porcentagem de sessões terminadas após um visitante ver apenas uma página.
  • visualizações de página: Número total de visualizações de página no seu site que são visíveis para todo o domínio ou apenas para páginas individuais.
  • aquisições: As fontes de tráfego para o seu site (pesquisa orgânica, direta, email, outras).
  • conversões: Número de conclusões de destino executadas por um usuário (por exemplo, preenchendo o formulário).

consola web

O Google Search Console classifica seu site procurar Desempenho com métricas importantes, como:

  • impressões: Com que frequência um dos URLs da sua página aparece nas SERPs (páginas de resultados dos mecanismos de pesquisa orgânicos)? Você também pode classificar as impressões por domínio para obter o número total de páginas em seu site.
  • consultas: Pesquisas que geraram uma impressão.
  • cliques: O número de vezes que um usuário clica em um dos seus URLs nos resultados da pesquisa.
  • CTR (CTR): Uma proporção de cliques para impressões.
  • Posição média: Uma média para a classificação do seu site nas consultas de pesquisa.

A análise dos dados do Google Analytics e do Search Console fornecerá uma imagem melhor do seu público, as principais fontes de tráfego, a eficácia com a qual você envolve os usuários e outras informações importantes que influenciam sua estratégia de conteúdo.

Tudo isso será crucial para a próxima fase do desenvolvimento de conteúdo da web.

3. Desenvolva uma estratégia de conteúdo para aumentar os KPIs

Uma das partes mais difíceis do desenvolvimento de conteúdo orientado a dados é descobrir exatamente o que os dados significam. Não há X marcando o ponto. Cada indicador chave de desempenho (KPI) é um tipo de pista do que você fez de errado e que ação pode ser tomada.

Principais indicadores chave de desempenho (KPIs) para marketing, pesquisa orgânica, satisfação do cliente, reconhecimento da marca e conteúdo.

Por exemplo: No valor nominal, páginas altas por sessão são um KPI positivo. Parece indicar engajamento. Eles gostaram tanto da primeira página que mudaram para outra no seu site.

No entanto, se o tempo médio em cada uma dessas páginas e a duração da sessão forem curtos, isso pode ser um sinal de que os usuários estão navegando no seu site página por página em busca de informações que simplesmente não conseguem encontrar.

Isso pode acontecer porque seu UX deixa algo a desejar ou que sua cópia da página de destino e as perguntas frequentes não cobrem os tópicos corretos.

A única maneira de ter certeza do que você está fazendo é virar algumas pedras.

No cenário acima, execute uma varredura de UX e execute sua cópia da página de destino com uma ferramenta como o MarketMuse para determinar quais tópicos você deve manipular para melhor atender à intenção do visor.

Reserve um tempo para estudar os dados em detalhes. Eles não encontrarão ouro de vez em quando e acionarão algumas árvores erradas, mas isso faz parte do processo de desenvolvimento de conteúdo.

Não presuma que a criação de mais conteúdo da Web resolva seu problema. Deve ser o conteúdo certo para o seu problema.

4. Faça pesquisa de palavras-chave

Se você estiver criando conteúdo da Web, como páginas de destino e postagens no blog, precisará ajustá-los para obter uma classificação na pesquisa. Você deseja que seu conteúdo apareça na primeira página de resultados, pois é responsável por 95% do tráfego da web.

Uma classificação na página 1 não é coincidência. Para descobrir quais palavras-chave os usuários da Web estão realmente inserindo em uma barra de pesquisa, são necessárias investigações. Cada conteúdo que você cria deve tentar classificar uma ou mais dessas palavras-chave.

Você pode identificar palavras-chave que correspondem ao seu setor usando ferramentas legítimas de pesquisa de palavras-chave, como:

  • SEMRush.
  • Moz Keyword Explorer.
  • Ahrefs.
  • KWFinder.

Todos esses critérios incluem métricas principais para cada palavra-chave, incluindo:

  • Volume de pesquisa: Uma medida de quantas pessoas pesquisam essa palavra-chave mensalmente.
  • dificuldade: Uma pontuação que prevê o quão difícil é classificar uma palavra-chave específica.

Tente selecionar palavras-chave com um volume de pesquisa mensal de 50 ou mais e uma dificuldade de palavra-chave (KD) média a baixa. Vale a pena comparar o nível de dificuldade com a sua autorização de domínio. Como regra geral, segmentamos palavras-chave com 10 pontos ou menos do que a nossa autoridade de domínio. Por exemplo, para um DA de 60, um nível de dificuldade de palavra-chave de 50 deve ser o limite.

Muitas vezes, faz mais sentido desenvolver uma estratégia de marketing de conteúdo que tenha como alvo muitas palavras-chave com menos volume de pesquisa mensal e menos dificuldade, em vez de colocar recursos em uma palavra-chave altamente competitiva pela qual você nunca será classificado.

Se você classificar com êxito em palavras-chave de baixa pesquisa, provavelmente classificará para variações do termo. Isso aumenta o volume geral de pesquisas que você obtém ao segmentar este tópico.

Além disso, ter uma boa classificação para cada palavra-chave, incluindo uma palavra-chave de baixo volume, afetará sua experiência de pesquisa. Se seu conteúdo for pesquisável, é mais provável que seja visto por qualquer pessoa que pesquisar essas palavras-chave.

Isso, por sua vez, aumenta a probabilidade de o conteúdo ser compartilhado nas mídias sociais e, finalmente, vinculado a outros blogs. Esses backlinks aumentam a autoridade da página e, assim, melhoram a autoridade do domínio – e isso tem um grande impacto no desempenho da pesquisa.

O ponto é que palavras-chave de cauda longa – e palavras-chave comerciais baixas – ainda são de alto valor para o seu público. Um exemplo seria "como desenvolver uma estratégia de conteúdo". Você se lembra de como dissemos que descobrimos que nosso leitor mais ávido é um influenciador?

Bem, "como desenvolver uma estratégia de conteúdo" é exatamente o tipo de pergunta que esses influenciadores poderiam fazer a si mesmos.

Ao responder a essas perguntas, temos a chance de colocá-las na Internet e fortalecer o reconhecimento da marca. Muito antes de termos essa chance, descobrimos quem eles eram, identificando nosso público-alvo e o que procuravam, pesquisando palavras-chave.

Além disso, consideramos cuidadosamente como classificar as palavras-chave em nosso conteúdo para chegar à próxima rua de nossa jornada.

5. Desenvolva resumos de conteúdo

O que inclui uma descrição do conteúdo?

Uma análise do conteúdo de alto nível do site para cada palavra-chave.

Os resultados dessa análise são apresentados como instruções para inclusão no conteúdo para classificação para essa palavra-chave. Uma breve visão geral resume, por exemplo:

  • Contagem média de palavras.
  • Para responder às perguntas principais.
  • Palavras-chave secundárias a serem incluídas.
  • Discutir tópicos importantes.
  • Meta descrição.

Descrição do conteúdo para

Esse é um aspecto crítico para a otimização adequada do mecanismo de pesquisa (SEO). Ao analisar cuidadosamente o conteúdo que o Google considera mais relevante para as palavras-chave de destino, você não precisa adivinhar o conteúdo. Pense nisso como engenharia reversa, o melhor conteúdo da web.

Ferramentas como MarketMuse e o modelo de conteúdo SEO do SEMrush ajudam a automatizar esse processo. Você está analisando os SERPs para não precisar mudar do resultado da pesquisa para determinar quantas vezes determinadas palavras-chave secundárias foram usadas. Inclua essas informações em seu nome e use-as para desenvolver idéias para o conteúdo.

6. Crie e promova o conteúdo real

Por fim, comece a criar seu conteúdo atraente.

Lembre-se de que recursos bloqueados, como documentos técnicos, estudos de caso e e-Livros, não são visíveis para os rastreadores do Google. Tudo bem, pois trata-se de canalizar seu tráfego no topo do funil para dentro do funil de vendas. Se seu público estiver animado com as postagens do seu blog, é mais provável que você receba um endereço de e-mail para assinar um boletim informativo ou fazer o download de um ativo que fornece informações mais detalhadas sobre um tópico.

O processo de desenvolvimento de conteúdo para ativos com funis mais profundos é um pouco diferente, mas o objetivo é o mesmo: eles devem fornecer relevância e qualidade. Consulte especialistas no assunto da sua organização quando necessário – apenas verifique se o conteúdo fornecido não estraga a inscrição.

7. Revise as métricas

Quando se trata de SEO, pode levar 100 dias para que parte do conteúdo do site seja "maduro" em sua classificação, o que significa que sua posição nos SERPs pode variar durante esse período.

Caso contrário, nunca é cedo para buscar o sucesso.

Alguns KPIs são bem simples. Se o seu último e-book recebe muitos downloads, você provavelmente já fez um bom trabalho promovendo-o no seu site, no seu blog e nas mídias sociais.

Tomemos outro exemplo: uma postagem recente no blog recebe muitas visualizações de página. Só porque mata nesse sentido, não significa necessariamente que é morto na busca. Esse sucesso pode ser um indicador de uma estratégia de marketing por e-mail altamente bem-sucedida. Nesse caso, a única maneira de ter certeza é analisar as origens de tráfego no Google Analytics. E sim, o tráfego é quase sempre uma coisa boa, seja de uma campanha de email ou de uma pesquisa.

No entanto, ao revisar métricas, é importante ser específico. Isso ajudará você a entender por que certos números são fortes e outros fracos, para que você possa repetir suas realizações e evitar cometer os mesmos erros duas vezes.

Nenhum movimento é desperdiçado no marketing de conteúdo orientado a dados

O marketing digital é uma jornada sem fim. No entanto, existem metas e marcos que você só pode alcançar por meio de decisões direcionadas e orientadas por dados.

E no caminho para esses objetivos, você pode até se surpreender com eventos do tipo odisséia – alterações no algoritmo do Google, novos recursos de SERP que afetam o tráfego e assim por diante.

Mas com os dados você nunca está realmente perdido, mesmo que não esteja onde quer estar. É sempre um próximo passo a ser feito, e sempre há um novo objetivo ao seu alcance.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like

ZMOT: A evolução do marketing digital

o ZMOT (Momento zero da verdade), traduzido para Momento zero da verdade,…

Como personalizar os destaques do Instagram: estratégias e ferramentas · Blogs do Postcron

Use oDestaques do Instagram "? Estas são as famosas "Histórias em destaque".…

7 truques de mídia social para experimentar em 2018 · Postcron Blogs

Você acha que está usando de maneira ideal sua estratégia de mídia…

10 dicas para criar conteúdo para Instagram · Blogs do Postcron

O que está faltando nas redes sociais é conteúdo. Há tanta informação…